1º DE DEZEMBRO DE 1640

DIA DA RESTAURAÇÃO DA INDEPENDÊNCIA



Decorreu no dia 2 de dezembro, no auditório da nossa escola, a comemoração e homenagem aos heróis da Restauração, organizada pelo Grupo de História e pelo Departamento de Ciências Humanas e Sociais.


O 1º de Dezembro, feriado nacional desde 1823, celebra o dia da Restauração da Independência e os nossos alunos reconstituíram, através de uma dramatização, os acontecimentos do dia 1 de Dezembro de 1640, quando um grupo de nobres, os 40 Conjurados, invadiu o Paço da Ribeira, em Lisboa. Portugal, que vivia dependente da monarquia hispânica, sofrendo em consequência sucessivos ataques às suas colónias por parte da Inglaterra e da Holanda; que via aumentada a carga fiscal tributada ao seu povo; que sofria com a utilização pelos espanhóis das tropas portuguesas para combater as suas guerras, sentia profundo descontentamento com a União Ibérica. Por isso, os 40 Conjurados conspiraram contra o domínio filipino em Portugal e prepararam um golpe palaciano, para recuperar a independência do país.

Alunos das turmas dos cursos CLH do ensino secundário assumiram, assim, os papéis de cerca de 120 revoltosos que, na manhã de 1 de Dezembro, invadiram o Paço da Ribeira, onde se encontravam Miguel de Vasconcelos (representante dos interesses de Castela, que foi assassinado no local, aqui interpretado pelo Bruno Barbosa) e a Duquesa de Mântua (vice-rainha de Portugal, levada para o Convento de Santos, interpretada pela Débora Barros).

Derrubado o domínio espanhol, D. João IV (aqui representado pelo João Ferreira), 8º Duque de Bragança, foi proclamado rei, devolvendo a independência política, financeira e fiscal a Portugal.


D. Luísa de Gusmão, esposa do rei (interpretada por Mariana Pinto), tê-lo-á incitado a aceitar a Coroa do Reino de Portugal, nem que para isso fossem precisos grandes sacrifícios. Foi atribuído à duquesa Dona Luísa o propósito “mais acertado de morrer reinando do que acabar servindo”, a partir do qual os adversários da autonomia portuguesa fizeram depois sonoras frases ao gosto popular, como a de que ela teria afirmado, “melhor ser Rainha por um dia, do que duquesa toda a vida”.


A cerimónia contou ainda com a participação dos alunos Simão Gonçalves, Beatriz Gonçalves e Dinis Marques das turmas 12º CT4 e CT1, este último, que brindaram a assistência com a interpretação da peça musical Nasce Selvagem da autoria de Delfins.

De referir, finalmente, o trabalho de apresentação da cerimónia levado a cabo pelas alunas Carolina Vieira e Margarida Coelho, que deram o mote a uma comemoração que se pautou pela alegria e elevado civismo dos participantes.